quinta-feira, 30 de junho de 2016

Tens um sonho? Queres alcançá-lo? Só tens de o apresentar!


GAES – Centros Auditivos apoia desporto amador com bolsa
“Persegue os teus sonhos”

No âmbito do seu programa de apoio a desportistas amadores, a GAES – Centros Auditivos lança em Portugal as Bolsas “Persegue os teus Sonhos”. O projeto, que já vai para a quinta edição em Espanha, chega agora ao nosso país, apoiado por nomes reconhecidos do desporto português como o ciclista de BTT Luís Leão Pinto e Francis Obikwelu. “Quando cheguei a Portugal, em 1994, sem documentos, tive muito poucos apoios, para não dizer nenhuns, para fazer aquilo de que realmente gostava e que queria fazer. Passei muita fome, mas nem isso me impediu de realizar o meu sonho. Não havia bolsas, não tinha ajudas, mas tinha a força do meu pensamento, que me ajudou a nunca desistir”,afirma o atleta olímpico, ressalvando que “basta muito pouco para conseguirmos incentivar alguém a tomar o seu rumo e a perseguir os seus sonhos. Foi por isso que gostei logo tanto e decidi associar-me a este projeto”, conclui.

Se for desportista, ousado e, à semelhança de Obikwelu, tiver espírito de superação, a Bolsa GAES “Persegue os teus Sonhos” pode significar o “empurrãozinho” que lhe faltava para “alcançar a meta”.

“Procuramos projetos desportivos que reúnam valores como o trabalho em equipa, a dedicação e a persistência, valores com os quais nos identificamos porque fazem parte do ADN da empresa e que determinam o nosso apoio consolidado ao desporto”, afirma António Gassó, CEO e diretor geral da GAES – Centros Auditivos. Subir o Kilimanjaro, percorrer a Costa dos Estados Unidos em bicicleta e/ou participar num “ironman” pela primeira vez, são apenas alguns exemplos de sonhos que podem tornar-se realidade através de uma simples candidatura a bolsa.

As candidaturas podem ser submetidas em www.persegueosteussonhos.pt a partir do próximo dia 1 e julho e até 19 de dezembro, estando abertas à votação do público durante o mesmo período. Os 10 projetos mais votados serão posteriormente submetidos a avaliação do painel de jurados – composto por nomes como Fátima Lopes, apresentadora e embaixadora da GAES - Centros Auditivos em Portugal, Fernando Correia, jornalista de desporto da TVI, Francis Obikwelu, Luís Leão Pinto, entre outros – que elegerá o(s) “sonho(s) desportivo(s) aos quais será atribuída a bolsa no valor de 6.000€.


Sobre a GAES – Centros Auditivos

A GAES - Centros Auditivos, líder ibérica no setor da correção auditiva, foi fundada em 1949 em Espanha. A sua atividade cobre desde a fabricação de aparelhos auditivos na fábrica própria Microson, até à sua distribuição e adaptação nos centros auditivos GAES. Comercializa também todos os produtos relacionados com proteção auditiva e sistemas complementares de comunicação e é distribuidora exclusiva do implante osteointegrado PONTO, da marca dinamarquesa Oticon. Em

Portugal está presente desde 1993, contando com 23 centros auditivos abertos ao público e mais de 150 centros de consulta em parceria com entidades relacionadas com a área da saúde. Atualmente, o Grupo GAES dispõe de uma rede superior a 500 centros auditivos, distribuídos por Portugal, Espanha, Argentina, Chile, Turquia e Equador.

Exemplos das candidaturas vencedoras em Espanha:

·         Um ex-ciclista profissional de BTT que deixou de competir depois de um acidente com uma bicicleta de estrada, que queria atravessar a Europa pelo Caminho de Santiago;

·         Um senhor viúvo que queria ultrapassar a morte da mulher, realizando 12 maratonas com as duas filhas durante um ano;

·         Uma mulher que se propôs disputar cinco das provas de BTT mais duras do mundo para popularizar o ciclismo feminino;

·         Duas mulheres, uma cega e uma hemiplégica, que tinham o sonho de fazer uma expedição ao Kilimanjaro;

·         Um homem que depois de ficar tetraplégico voltou a andar com a ajuda do desporto, que tinha o sonho de participar na Titan Desert;

·         O de Miguel Gonzalez, que se propôs a emagrecer (tinha 167 kgs) para cumprir o seu objetivo de participar no Ultraman UK (considerado uma das competições mais duras do mundo), para promover os benefícios de uma vida saudável; hoje dá palestras nas escolas;

·         O de uma pessoa com esclerose múltipla que queria participar na Titan Desert para promover o desporto entre pessoas que padecem da doença;

·         O de alguém que queria participar no Ultraman do Canadá para dar a conhecer a ONG Bahati;

·         A de Sérgio e Rúben, que tinham o sonho de angariar fundos para a Fundação CANSA com a sua participação na Cape Epic;

·         A de Jaime, um atleta surdo de 19 anos, que tinha o sonho de participar nos Campeonatos da Europa e do Mundo para pessoas surdas;

·         A de Jordi, que queria das a conhecer e angariar fundos para a associação AFANOC, de luta contra o cancro infantil, participando em diferentes provas de triatlo;

·         A de Lluna Martí que tinha o sonho de subir ao Himalaia para reconstruir a escola de Chhanga, destruída depois do terramoto;

·         A de Diego, um estudante com uma lesão na medula, que precisava de uma cadeira de atletismo para poder participar nas Paraolimpíadas de Tokyo.